Quinta, 02 de Julho de 2020 03:49
18°

Poucas nuvens

Imaculada - PB

Dólar com.

R$ 5,32

Euro

R$ 5,98

Peso Arg.

R$ 0,08

Anúncio
Notícias Eleições

‘Talvez seja inevitável adiar eleições municipais’, admite Luís Roberto Barroso

Segundo ele, um possível adiamento terá que ser aprovado pelo Congresso

24/05/2020 20h31
213
Por: Imaculada Online Fonte: Imaculada Online
‘Talvez seja inevitável adiar eleições municipais’, admite Luís Roberto Barroso

O novo presidente do Tribunal Superior Eleitoral (TSE), Luís Roberto Barroso, que assume o cargo nesta segunda-feira (25), num momento em que se discute se o país terá eleições este ano, por causa da pandemia do novo coronavírus, admitiu, em entrevista ao Diário de Pernambuco, que o pleito poderá ser adiado. “Quem vai bater o martelo são os sanitaristas”, disse. Da sua parte, Barroso resiste a adiar as eleições e não coloca a prorrogação de mandatos no radar, mas condiciona sua vontade ao ritmo da Covid-19.

“Existe uma pandemia no mundo, ela atingiu o Brasil e a curva, neste momento, ainda é uma curva ascendente. Se, até meados de junho, a situação continuar semelhante à que se encontra hoje, talvez seja inevitável a necessidade de se adiar as eleições. Mas a minha primeira vontade não é adiar. Se for inevitável, que seja pelo prazo mínimo”, disse em entrevista ao Diário de Pernambuco.

 

Segundo ele, um possível adiamento terá que ser aprovado pelo Congresso. Ele informou que trabalha com os presidentes da Câmara e do Senado para afinar o discurso sobre o tema. “A prorrogação de mandato é antidemocrática em si, porque os prefeitos e vereadores que lá estão, foram eleitos por um período de quatro anos. Faz parte do rito da democracia a realização de eleições periódicas e o eleitor ter a possibilidade de reconduzir ou não seus candidatos”, diz.

Na entrevista ao jornal de Pernambuco, o ministro transparece que a pandemia deixa recheado de incertezas o futuro de gestores públicos, que desprezam a ciência ao dizer que “a adoção de uma política pública de eventual distribuição de um medicamento que não tenha chancela da comunidade médico-científica e nem de pesquisas clínicas, acho que pode, sim, gerar responsabilidade”, diz ele, sem citar especificamente o caso da inclusão da cloroquina nos protocolos do Ministério da Saúde para atendimento aos pacientes de covid-19.

Diário de Pernambuco

* O conteúdo de cada comentário é de responsabilidade de quem realizá-lo. Nos reservamos ao direito de reprovar ou eliminar comentários em desacordo com o propósito do site ou que contenham palavras ofensivas.
Ele1 - Criar site de notícias