E-mail

redaçã[email protected]

WhatsApp

00000000000

Anúncio
Justiça

Empresário é condenado a 68 anos de prisão por mandar matar padrinhos de casamento, na PB46619

Maria Gorete Alves Pereira, que foi acusada de envolvimento no duplo assassinato, foi absolvida. Crime aconteceu em março de 2014, em frente a um salão de festas no bairro do Catolé, em Campina Grande.

10/12/2019 07h41Atualizado há 1 mês
Por: Imaculada Online
Fonte: Imaculada Online
219

O empresário Nelsivan Marques de Carvalho foi condenado a 68 anos de prisão por mandar matar o casal Washington Luiz Alves de Menezes e Lúcia Santana Pereira, que eram seus padrinhos justamente no dia do próprio casamento. O julgamento aconteceu nesta segunda-feira (9) no Tribunal do Júri de Campina Grande, após ter sido adiado em agosto de 2018.

Nelsivan foi condenado pelos crimes de homicídio qualificado e tentativa de homicídio cometidos contra o casal Washington Luiz Alves de Menezes e Lúcia Santana e o vigilante da casa de festas, que foi ferido a tiros, no local em que o crime aconteceu.

O crime aconteceu em março de 2014, em frente a um salão de festas no bairro do Catolé, em Campina Grande. Em 2016, a Justiça definiu que os seis réus envolvidos no duplo homicídio seriam julgados por júri popularNelsivan Marques de Carvalho está preso há seis anos à espera de julgamento.

Já Maria Gorete Alves Pereira, que foi acusada de envolvimento no duplo assassinato, foi absolvida. Ela também foi julgada nesta segunda-feira (9). Em depoimento, ela disse que convivia apenas com um dos homens envolvidos no caso, Gilmar Barreto da Silva, que foi condenado a 37 anos e quatro meses de prisão pelo crime. A ré afirmou ainda que não tem conhecimento dos atos do companheiro. Para a defesa da acusada, a ré não tem nenhum envolvimento no crime e há convicção da absolvição dela no caso.

Outro acusado de envolvimento no crime, Allef Sampaio dos Santos, também sentaria no banco dos réus, mas teve o júri adiado por não apresentar advogado.

Acusado de planejar morte de padrinhos no próprio casamento, na PB, negou envolvimento no caso

Durante júri popular na manhã desta segunda-feira (9), Nelsivan Marques de Carvalho disse que não tem nenhum envolvimento com a morte dos padrinhos de casamento dele e que teve o nome colocado no meio do processo, mas não sabe quem o fez e nem o motivo.

Ainda em depoimento, ele alegou que não se recorda do que aconteceu no dia do crime. Conforme a defesa do réu, não há apanhados, diálogos ou qualquer prova material de que o empresário tenha participado do crime.

O juiz questionou Nelsivan sobre relação de provas, como ligações eletrônicas e trocas de mensagens entre os celulares dele e outros réus. “Se eu liguei pra alguém ou respondi mensagem de texto naquela ocasião não me lembro. Se eu fiz não sei”, respondeu Nelsivan. Ele ainda disse que a relação que tinha com Franciclécio - condenado a 54 anos e seis meses de prisão - era de amizade, pois frequentavam a mesma igreja.

De acordo com a promotoria, com base no inquérito da Polícia Civil, o crime se resume a uma única coisa: a ganância. Segundo o Ministério Público, Nelsivan teria encomendado a morte dos padrinhos para assumir o controle total de uma faculdade particular da cidade, que também era administrada pelo casal assassinado.

Crime aconteceu em março de 2014

O crime aconteceu no dia 29 de março de 2014. Terminada a cerimônia, Washington Luiz Alves de Menezes e Lúcia Santana Pereira se despediram dos noivos, por volta das 21h, e foram embora, seguindo em direção ao seu carro, quando foram assassinados.

Segundo o MP, os crimes teriam sido encomendados pelo noivo, Nelsivan Marques. Ele teria mandado executar as vítimas para assumir o controle de uma faculdade particular da cidade.

Fonte: Redação do Vale do Piancó Notícias com G1

* O conteúdo de cada comentário é de responsabilidade de quem realizá-lo. Nos reservamos ao direito de reprovar ou eliminar comentários em desacordo com o propósito do site ou com palavras ofensivas.
Ele1 - Criar site de notícias