E-mail

redaçã[email protected]

WhatsApp

00000000000

Anúncio
Calvário

Conselheiros do TCE ‘deixaram de coibir’ corrupção, diz ministro do STJ

O afastamento de Nominando Diniz e Arthur Cunha Lima é um pedido da Procuradoria-Geral da República.

19/12/2019 07h36
Por: Imaculada Online
Fonte: Imaculada Online
162

O ministro Francisco Falcão, do Superior Tribunal de Justiça (STJ), justificou a decisão de afastar, por 120 dias, os conselheiros Nominando Diniz e Arthur Cunha Lima, do Tribunal de Contas do Estado, envolvidos na sétima fase da Operação Calvário, como medida de preservar as investigações que apontam para desvios de até R$ 134 milhões na Saúde da Paraíba.

“Não se pode afastar ainda a hipótese de que, permanecendo nos cargos, os investigados possam interferir nas apurações, mediante a destruição/ocultação de provas, influenciando ou intimidando possíveis testemunhas com conhecimento dos fatos apurados”, assinalou o ministro.

Na decisão, Francisco Falcão frisa ainda que “os conselheiros do Tribunal de Contas deixaram de cumprir sua função institucional de coibir os atos de improbidade administrativa e malversação de recursos públicos em uma área tão carente como é a saúde”.

O afastamento de Nominando Diniz e Arthur Cunha Lima é um pedido da Procuradoria-Geral da República.

As investigações apontaram que a organização criminosa chefiada pelo ex-governador Ricardo Coutinho (PSB) contava com o apoio de ‘parcela veemente dos conselheiros do Tribunal de Contas da Paraíba (TCE-PB), no sentido de encobrir, ocultar e, em determinadas situações, potencializar as condutas delituosas, exercendo, segundo o Parquet, ‘papel central’ no ‘modelo de negócio’ da empresa criminosa’.

Maurílio Júnior e Wallison Bezerra – MaisPB

* O conteúdo de cada comentário é de responsabilidade de quem realizá-lo. Nos reservamos ao direito de reprovar ou eliminar comentários em desacordo com o propósito do site ou com palavras ofensivas.
Ele1 - Criar site de notícias